A Criação!

Olá!

Num primeiro momento a leitura deste título nos remete aos grandes textos atribuídos à criação, como comumente a concebemos! No entanto, vejamos uma forma personalizada de como este processo ocorre diariamente em nossas vidas, sem muitas vezes nos darmos conta dele!

Todos, independentemente de nossas tendências ou formações, estamos continuamente em processo de criação, co-criação e recriação!

Na maioria das vezes não temos esta percepção por estarmos ligados no “piloto automático” de nossas vidas delegadas, e mais tarde, em algum momento, reproduzimos aquele velho padrão de lamúrias, responsabilizando alguém pelos nossos insucessos! Não pensamos nisto quando estávamos no conforto da direção automatizada de nossas vidas!

A criação a que nos referimos é uma atitude consciente em todos os aspectos de nosso comportamento. Claro, nem sempre é fácil identificá-la, tomando as rédeas de nosso próprio rumo, mas em algum momento se fará necessário. As opções para reconhecermos este caminho são inúmeras, sejam através de nosso trabalho, de nossas relações, de nosso aprendizado e principalmente dos desafios presentes em cada uma destas oportunidades. O fato é que passado um período de esforço sobre-humano para superarmos determinadas crises, esperamos pelos momentos de sombra e água fresca. O que não percebemos é que na próxima esquina, novos desafios nos aguardam, não por obra do destino e sim porque assumimos um compromisso com a Vida de seguirmos em direção a eles! E neste caminho, muitas vezes nos questionamos qual o propósito de nossas vidas e de nossas atitudes frente às inúmeras e imprevistas situações. Buscar uma resposta que nos acolha é um ato de compaixão conosco mesmo, afim de que tenhamos uma compreensão maior a respeito de nossos papéis.

Profissionalmente nos deparamos com as questões mais diversas a respeito de nosso verdadeiro propósito. Nem sempre encontramos respostas, até porque nos esquivamos confortavelmente delas na maioria das vezes. Mas o grande lance é nos questionarmos sobre como o nosso trabalho, falando aqui de instâncias profissionais, interfere e contribuí para um mundo melhor e idealizado; expectativa que normalmente entregamos aos pés de líderes políticos, sociais e religiosos, na expectativa de nos safarmos de responsabilidades intransferíveis.

Cada atividade nossa diária deveria ser uma ação consciente rumo a estas realizações. Nossas profissões, assim como nossas aptidões e atitudes diárias não são nada mais do que instrumentos para contribuirmos com uma sociedade que nos construiu e para a qual desejamos mudanças. Nos questionarmos sempre sobre qual a melhor forma de escolhermos os caminhos e as nossas ações são atos divinos que causam mudanças profundas e internas! Isto deveria ser o suficiente para cada um de nós; que nos julgamos tão conscientes a respeito das necessidades do mundo em que vivemos.

Na maioria das vezes temos claras estas respostas, mas não as percebemos em função da busca pela aprovação de terceiros e de um consenso, que assumimos como geral.

Nenhuma satisfação deveria ser maior do que a de ter a sensação de missão cumprida ao final do dia, do mês, do ano; tendo a certeza de que, de alguma forma contribuímos para construirmos um mundo em que as pessoas sejam felizes e que sintam segurança para se viver e aprender! Não importa qual seja a nossa função, o nosso papel, o nosso dom; o modo como damos vazão a estas formas de expressão é que validam o nosso propósito! Trazer e resgatar os verdadeiros valores em nossas pequenas ações é muito, infinitamente, maior e mais importante do que o resultado com o qual na maioria das vezes nos preocupamos. Até porque não teremos como mensurar estes resultados, mas temos como perceber as mudanças internamente ocorridas! Gosto sempre de pensar que, aos olhos dos outros, um grão de areia movido em mim, na verdade é mais do que uma montanha! É uma cordilheira toda! Mas somente cada um de nós é capaz de avaliar estas ações, nossas próprias escolhas e nosso esforço.

Fazer com que qualquer pessoa se sinta bem em nossa companhia é um desafio e um compromisso interno que assumimos com a vida! Nos expressarmos através de nossas aptidões, nosso trabalho, nosso vocabulário, nossa linguagem emocional, nossos pensamentos, enfim, cada respiração nossa, é uma oportunidade de darmos um passo em direção a este objetivo. Obviamente não é nada fácil, mais do que isto até, são clichês mais do que conhecidos hoje em dia; mas ainda que sejam senso comum, se não caminharmos em direção a eles, de nada servirão.

Buscar a felicidade nas pequenas coisas tem sido um grande desafio! Hoje mais do que nunca! Mas se alguém tiver alguma outra ideia a respeito dos caminhos da felicidade e da criação ininterrupta à qual estamos envolvidos, por favor, compartilhem!

Bom final de semana a todos! E que ele seja criativo!